Efeitos Associados

Quando ocorre um sismo, o chão treme, podendo causar danos graves. Mas os sismos também têm outros efeitos destrutivos.   

Rutura superficial: O solo abre brechas, o que pode danificar estradas, caminhos de ferro e linhas de comunicação.   

Liquefação: Quando as ondas sísmicas abanam sedimentos saturados de água, o solo e a rocha podem perder as suas propriedades sólidas e comportar-se como um fluido. As fundações dos edifícios afundam-se e movem-se, causando danos em edifícios e até a sua destruição.   

Deslizamentos de terras: Quando a terra treme, sedimentos soltos em encostas e até mesmo rochas maciças em montanhas íngremes podem tornar-se instáveis e deslizar.   

Tsunamis: Quando um sismo ocorre no fundo do mar ou perto da costa, podem gerar-se ondas de tsunami. Hoje em dia, a maioria das cidades costeiras no mundo dispõe de sistemas de alerta precoce de tsunami que visam dar algum tempo às populações do litoral para se porem a salvo antes de as ondas de tsunami chegarem a terra. Estes sistemas dependem da informação fornecida pelas ondas sísmicas — que se propagam cerca de trinta vezes mais depressa do que as ondas de tsunami — e por boias oceânicas que medem a altura do mar. Quanto mais longe de terra está o epicentro, mais cedo são emitidos os alertas, ajudando as pessoas a porem-se a salvo atempadamente.   

Inundações e incêndios: Os sismos podem causar danos estruturais em barragens, os quais, por sua vez, podem causar inundações. Podem também danificar gasodutos e linhas elétricas, provocando incêndios.   

Réplicas: Estes sismos menores e mais curtos podem causar o colapso de estruturas que foram danificadas mas não destruídas pelo sismo principal, mais forte. 

Sabia que...?

As ondas que vê geralmente na praia são causadas pelo vento. Movem-se ao longo da superfície da água. As ondas de tsunami são diferentes. Fazem mover o oceano desde o fundo até à superfície como uma coluna de água massiva — mesmo nos oceanos mais profundos!

Os tsunamis não são uma única onda, mas sim uma série de ondas. Frequentemente, a primeira onda não é a maior, sendo que os tsunamis podem durar horas.

Em muitas regiões, como o Mediterrâneo, o Nordeste do Atlântico e o Japão, os sismos que podem causar tsunamis ocorrem muito perto da costa, dando pouco ou nenhum tempo para que uma mensagem de alerta de tsunami seja emitida. Se sentir um abalo forte, ouvir um rugido no mar ou vir uma repentina subida ou descida do nível do mar, dirija-se imediatamente para zonas elevadas. Não espere pela emissão de um alerta oficial.

Os tsunamis podem ser gerados por sismos, erupções vulcânicas, deslizamentos de terras ou impactos de meteoritos. Reunidas as condições certas, os tsunamis também podem ser gerados por perturbações na pressão atmosférica — são os chamados meteotsunamis.

Caso se encontre num barco aquando da chegada de um tsunami, dirija-se para águas profundas, de modo a evitar as ondas mais fortes, junto à costa. 

Altura máxima da onda de tsunami (fundo colorido) e tempo de viagem (contornos em horas) calculados para uma das fontes prováveis do evento de 1 de novembro de 1755 (IPMA).

Quando a falha que se rompe durante um sismo atinge a superfície, o solo parte-se, provocando uma rutura à superfície que pode causar danos em estradas, vias-férreas e linhas de comunicação.

Quando as ondas sísmicas sacodem sedimentos saturados de água, o solo e a rocha podem perder as suas propriedades sólidas e comportar-se como um fluído, processo que é conhecido como liquefação. As fundações dos edifícios afundam-se e movem-se, causando danos em edifícios e até a sua destruição.

Quando a terra treme, sedimentos soltos em encostas e até mesmo rochas maciças em montanhas íngremes podem tornar-se instáveis e deslizar.

Por vezes, os sismos fazem com que o solo ceda definitivamente, originando cheias, como foi o caso durante o sismo de Tōhoku de 2011, no Japão.

Fogo no centro de Kobe, após o sismo de Kobe de 1995, no Japão. Os sismos podem causar danos estruturais, incluindo danos em condutas de gás natural e cabos elétricos, dando origem a incêndios.

O sismo principal é o sismo de maior magnitude numa crise sísmica, ou seja, num período de intensa atividade sísmica. Os sismos que ocorrem, numa mesma crise, antes e depois do sismo principal denominam-se, respetivamente, sismos premonitórios e réplicas.  Apesar de serem menores e mais curtas do que o sismo principal, as réplicas podem causar o colapso de estruturas danificadas mas não destruídas pelo sismo principal, mais forte.

LOCAIS A VISITAR