• Idioma
  • PT
  • |
  • EN

"Estarmos melhor preparados para um novo sismo é a razão de ser do Quake."

O Quake – Centro do Terramoto de Lisboa, é uma experiência temática que, em forma de narrativa, permite-nos ver, sentir e compreendero Terramoto de Lisboa de 1755.

Sob a forma de viagem no tempo, é um convite a descobrirmos mais sobre o Terramoto de 1755, sobre a época do Iluminismo, sobre Lisboa e sobre eventos sísmicos. O Quake é, ao mesmo tempo, uma experiência lúdica, sensorial e pedagógica. Não apenas nos leva à Lisboa do século XVIII, como nos convida a desempenhar um papel no desenrolar dos acontecimentos. O rigor histórico e científico, o recurso a tecnologia e a sua narrativa – imersiva durante e intuitiva após a visita – são combinados para nos despertar a vontade e o interesse em descobrir mais, no presente. 

Estarmos melhor preparados para um novo sismo é por isso a razão de ser do Quake. A ocorrência de um novo grande sismo com consequências em Portugal não é, pela localização atlântica do país, uma questão de “se”, mas de “quando”*. Os (grandes) terramotos, como o de 1755, objeto do Quake, distinguem-se dos demais desastres e catástrofes naturais por duas razões: são os mais mortíferos e os mais imprevisíveis. Há um consenso na comunidade científica sobre, à luz do que sabemos hoje, a impossibilidade de os prever. Aumentar a preparação – consciência e conhecimento, entreajuda e capacidade de resposta - de todos e cada um para com um novo evento sísmico de grandes dimensões é propósito do Quake. 

No Quake, acreditamos que devemos estar preparados, que devemos “Esperar o inesperado”. Porque como experiência de entretenimento, o Quake nos surpreende a cada passo; porque enquanto equipamento pedagógico, o Quake nos estimula a explorar o desconhecido; porque a dimensão do Terramoto de Lisboa de 1755 – objeto do Quake - nos desafia; porque os sismos são as catástrofes naturais mais difíceis de prever; porque o mundo está cada vez mais complexo, ambíguo e volátil, mais incerto. 

Este foi o pensamento que nos levou ao “Espere o inesperado” (na sua versão inglesa “Expect the unexpected”), síntese da experiência e assinatura da marca, que contém e liga a ideia de desafio lúdico da própria experiência com o desafio do conhecimento, para uma melhor preparação para um, mais do que certo, sismo real. 

*Portugal situa-se na Placa Euroasiática, limitada a sul pela falha activa Açores-Gilbraltar, que corresponde à fronteira entre as Placas Euroasiática e Africana, a oeste do continente localiza-se a falha dorsal do Oceano Atlântico.